terça-feira, 17 de janeiro de 2012

7
Acabei de receber por e-mail, achei muito legal e vim postar aqui pra vocês....

"Me chamo artesanato,
feito com tato,
trato,
de fato,
às vezes no ato.
Feito a mão,
com coração.

Alguns me consideram uma arte,
outros não...

Mas não sofro desse desassossego;
dependo dos olhos de quem me vê,
dependo das mãos que me tocam,
dependo da funcionalidade de que me dão.

Sou de palha,
de areia,
madeira,
sou raso,
sou profundo...

Provoco felicidades em quem me faz,
alegrias em quem me ganha,
alegrias imensas e
sempre carregadas de energia positiva.

Sou reciclado,
mereciclo,
sou rápido,
urgente,
iminente,
sou trançado,
bordado,
demorado.

Sobrevivo com raça,
sou show,
sou massa!!!"

(Marcos Almeida)

7 comentários:

  1. Respostas
    1. Oi ici querida.... claro que pode copiar!!!! Divulga por ai este lindo poema. Bjs Ju

      Excluir
  2. Olá!!! Obrigada pela visita estou retribuindo, amei suas palavras,seu bog e o poema e lindo... eu também quero copiar!!! Sucesso para nós. Beijos

    ResponderExcluir
  3. Oi Ju, que linda poesia, vim te fazer uma visita. Sou blogueira nº1589. Bjo

    ResponderExcluir
  4. passando no seu cantinho para conheçer e amei estou te seguindo e sou das blogueiras unidas numero 260. parabéns pelo seu espaço...

    ResponderExcluir
  5. Sensacional! Sempre fico angustiada quando deparo com restos de moveis atirados nas bordas da cidade. fico penalizadaao ver aquelas partes branquinhas em meio ao capim. E quando se trata de madeira, aí a angustia é maior, por saber o que representa. Fiquei encantada com o resultado do que antes foram gavetas. Adorei a idéia e vou divulgá-la. Parabéns pelo trabalho.
    Benção e Paz a ti!
    Ah! Ia me esquecendo, sou uma blogueira unida visite-nos!

    http://standup-levante-seedigaoquevocepensa.blogspot.com/
    Boa semana!

    ResponderExcluir

Fico feliz da vida recebendo um comentário. Deixa um vai? Se quiser deixar mais de 1 também vou adorar! kkk Obrigada.